NOTÍCIA

Citroën C4 Lounge terá mais uma reestilização... na China

 
Apesar do Citroën C4 Lounge estar no mercado global há quase sete anos e ter sido renovado em 2016 (chegou aqui em 2018), a fabricante parece não estar com nenhuma pressa para lançar uma nova geração. Fotos publicadas pelo site Auto Home mostram o sedã rodando na China preparando mais uma atualização visual, ainda sem data de estreia. A principal mudança será do lado de dentro, de forma a deixá-lo um pouco mais próximo do estilo usado pelos últimos lançamentos da empresa.
 
Do lado de fora, o Citroën C4 Lounge parece praticamente igual. Na frente, a única diferença notável é o retrovisor lateral com repetidor de seta, enquanto a traseira tem um para-choque redesenhado e a saída de escapamento, agora com uma cobertura trapezoidal. Os faróis e as lanternas mantiveram até o desenho interno. Faz sentido que ele não mude o exterior, já que o facelift atual foi lançado em 2016 na China.
 
A Citroën está trabalhando mais no interior do C4 Lounge, pois o modelo chinês não mudou tanto quanto o nosso na reestilização. As linhas gerais foram alteradas, agora com desenho mais parecido com o do C4 Cactus. Por exemplo, o painel tem acabamento de couro central em tom diferente. As saídas de ar estão mais finas, o que permitiu que a central multimídia crescesse, principalmente na horizontal. Falando na multimídia, ela agora não tem nenhum botão, sendo controlada totalmente pela tela.
 
O volante também é novo e tem o centro (felizmente) menor do que o atual. As laterais das portas apresentam quatro linhas mais fundas, imitando o estilo do C4 Cactus. O modelo chinês tem algumas diferenças em relação ao nosso. Por exemplo, ele conta com freio de estacionamento eletrônico. Em contrapartida, os comandos do ar-condicionado são bem diferentes e o painel de instrumentos ainda é analógico.
 
Ainda não há mais informações sobre o novo Citroën C4 Lounge na China. O esperado é que mantenha os motores 1.2 turbo e 1.6 turbo utilizados por lá. A data de estreia também é mistério. Por fim, outra dúvida é se esta mudança irá afetar de alguma forma o modelo produzido na Argentina.

Fonte: motor1.uol.com.br