NOTÍCIA

BMW expande capacidade produtiva de componentes para veículos elétricos

 
O Grupo BMW está expandindo a sua capacidade de produção de componentes para veículos eletrificados a partir da escolha de mais uma fábrica para produzir células para baterias. A unidade de Regensburg receberá até 2022 um total de € 150 milhões para atender à crescente produção de veículos eletrificados com baterias.
 
Segundo a empresa, a partir de 2021, a fábrica de Regensburg fará o revestimento das células para baterias e em 2022 a unidade passará a produzir as baterias completas, tornando-se a terceira fábrica do grupo responsável pela produção de componentes para veículos elétricos, unindo às plantas de Dingolfing e Leipzig.
 
“A mobilidade elétrica está impulsionando substancialmente o crescimento do Grupo BMW e esse desenvolvimento também se reflete em nossa produção de e-drives”, explica Michael Nikolaides, chefe de planejamento e produção de motores e E-Drive do Grupo BMW.
 
A fábrica de Dingolfing ganhou em julho deste ano o centro de competência para produção de E-drives. Além disso, a companhia dobrou sua capacidade de produção de baterias de alta tensão na joint ventura BMW Brilliance Automotive com um novo centro de bateria na China.
 
Por sua vez, a fábrica de Leipzig foi confirmada em setembro para abrigar a produção de módulos de bateria a partir de 2021. No total, o Grupo BMW está investindo € 750 milhões nas unidades de Dingolfing, Leipzig e Regensburg para a expansão de sua capacidade de produção de componentes para veículos elétricos até 2022.
 
A planta de Regensburg iniciou em 2020 a produção de dois modelos eletrificados, as versões híbridas plug-in do BMW X1 e do BMW X2. Ao mesmo tempo, a fábrica está se preparando para que, no futuro, possa responder com flexibilidade às mudanças na demanda por diferentes tipos de propulsão e motores.
 
“O revestimento da célula da bateria e a produção de bateria desempenharão um papel fundamental nesta transição”, disse o diretor da fábrica Frank Bachmann. O revestimento das células garante ao conjunto uma maior robustez mecânica e melhor condutividade térmica. Isso permite um melhor isolamento e resfriamento das células de bateria ainda mais potentes para a quinta geração do e-drive.

Fonte: automotivebusiness.com.br